G&T, o gin está no ar…

O gin está no ar. Foi o que eu senti quando entrei no evento realizado num dos bares mais descolados de São Paulo, o G&T.

FullSizeRender

Muita gente bonita, boa música e ótimos drinks. Para falar a verdade, a grande estrela da noite ficou por conta da coquetelaria.

Atrás do balcão duas personalidades do mundo da mixologia. Talita Simões, uma das melhores bartenders do Brasil e do mundo, junto com uma das pessoas mais carismáticas e competentes do ramo, Tony Harion, também mixologista e que vem fazendo um excelente trabalho, cheio de criatividade e bom gosto, com o gin.

Muitas novidades, sabores, aromas e cores dentro de uma linda taça, gelada instantaneamente, através da tecnologia que vêm se desenvolvendo no ramo para aguçar cada dia mais a criatividade dos bartenders. E claro, surpreender ainda mais os consumidores de drinks.

IMG_1822

Tive a oportunidade de degustar todos os drinks sugeridos… comecei com um Bombay Sapphire – água de coco e manjericão, um drink leve, fresco e que nos deixa com uma sensação de quero mais.

O próximo foi um drink feito com maestria por Tony. Uma receita que leva Gin, água tônica, Ginger Ale e hortelã. Nem preciso falar dos aromas e sabores intensos, mas com grande elegância.

O gran finale ficou por conta da grande Talita Simões – Gin, Schweppes, infusão de hibiscos, aroma de pimenta, semente de maracujá doce e azedo “Uma explosão de aromas”, um drink que me remeteu aos aromas mais cítricos do maracujá e do gin.

Enfim, foi uma noite que experimentei várias complexidades aromáticas e, é claro, reencontrei pessoas muito queridas.

E como sempre digo:
Degustar é preciso !!!!

Super Bar 2016 Brasil! Fui, trabalhei e degustei.

Super Bar 2016 Brasil! Fui, trabalhei e degustei.

Sim, eu estive lá no dia 26 de abril de 2016, para conferir a primeira feira dedicada a bares e bartenders.
Foram dois dias em que profissionais da área puderam degustar produtos de vários países, muitos drinks e ainda participar de palestras com os melhores profissionais do Brasil e do mundo.

E vamos por partes.

As palestras do dia 25, o primeiro dia da feira, teve logo de início a participação dele, um dos melhores e mais respeitados bartenders do mundo. Márcio Silva, que é uma das pessoas que mais admiro na área.

Sua palestra foi sobre “Bartender é o mundo da hospitalidade”. E para falar a verdade… No dia seguinte, várias pessoas comentaram sobre, como uma palestra pôde desvendar e desmistificar essa profissão que só vem crescendo.

Tivemos a grande oportunidade de receber… Ali Dedianko, diretora global de educação para Belvedere Vodka.

Luca Cinalli, falando sobre os novos tempos, novas ferramentas e como desenhar um bom sistema de bar.

É claro que não poderia faltar ele… O grande conhecedor da arte dos charutos e destilados, Cesar Adames. O tema era muito bom “Como fazer do seu bar um dos melhores do mundo”.

Sobre o dia 26…

Estava lá e vi como esse amplo e sedutor mundo da Mixologia vem crescendo e ganhando mais espaço no Brasil.

As palestras começaram com o grande Moizes Barros. E no final teve a degustação de um drink a base de rum “Sailor Jerry”. Passando também pelos temas, coquetel e arte, designer nos bares, a capacidade artística e profissional em transmitir sentimentos e emoções por meio de coquetéis, e a arte da hospitalidade.

Tivemos a palestra da Campari e Lucano.

Em todas elas contamos com os maiores e melhores bartenders, como a de Fabio La Pietra, sendo a primeira de muitas, todas com grandes profissionais.

Mas devo confessar, que o estande mais cheio ficou por conta da Casa Flora, com seu amplo e diversificado portfólio de destilados. Destaque para tequila Patrón, Gin Hendrick’s e o licor Strega.

Vamos aguardar, para saber o que mais promete Deste Lado, porque degustando a gente se entende.

A vida vista deste lado

A vida vista deste lado. Sim, estou querendo me referir aos destilados, que vêm de uma grande família, que cada uma delas tem uma história, um aroma, um sabor e muitas vezes um país de origem. E para entender melhor esse mundo, vamos começar contando um pouco como tudo começou.

A arte da destilação atravessa vários séculos, milênios, assim posso dizer. E começou através dos babilônios. Na Grécia antiga, 4 A.C., já se utilizava essa arte para fazer água potável, transformando a água do mar em água doce.

Foi através dos alquimistas árabes que nasceram os nomes alambique (“al ambic”) e álcool (“al cóhol”). Estamos falando em particular de Jabir Ibn Hayyan , que utilizava esse método para produzir perfumes e medicamentos, já que naquela época, o álcool já estava sendo proibido para consumo.

stills-829182_960_720

Mas foi através dos monges, no século 9, que tudo foi se modificando. Começaram a usar frutas, ervas e raízes no processo de destilação. E aos poucos, essas experiências foram se espalhando por todo Sul da Europa.

No século 13, o alquimista Arnold de Vila Nova, ensinou em várias universidades de Montpelier e Avignon na França a arte de destilar, ficando conhecido como pai da destilação. Ele destilava o vinho que mais tarde era chamado de aqua vitae, água da vida, que mais tarde veio a ter diversos nomes, pois não era mais utilizado vinho como matéria prima, e sim outras frutas e cereais.

Acreditava-se, que a água da vida era responsável por curar algumas doenças, aumentar a memória e fazer com que as pessoas vivessem mais e com mais qualidade de vida. E com o passar dos séculos, essa técnica foi aprimorada e podemos hoje em dia ter essa gama de produtos.

Enfim, esse é só o começo de uma história rica em acontecimentos. O princípio, para entrarmos deste lado das bebidas.