Festa de 10 anos – BarDoCelso.com

Cultura cervejeirachopes artesanais são destaques na Festa de 10 anos do BarDoCelso.com.

Evento com entrada gratuita celebra 10 anos do blog BarDoCelso.com, que se destaca no mercado também como empresa de serviços e consultoria em cervejas.

Outubro é o mês das festas cervejeiras. Todas elas motivadas pela Oktoberfest, considerado o maior evento cervejeiro do mundo, mas nem sempre alemãs ou tão grandes assim. E o bairro boêmio da Vila Madalena não poderia ficar de fora. Com entrada gratuita, muita cultura cervejeira e chopes artesanais de primeira qualidade com preços promocionais, acontece no dia 23 de outubro, domingo, a festa de aniversário de 10 anos do BarDoCelso.com – um dos blogs de cerveja mais antigos do país. O evento acontece no São Paulo Tap House, um dos principais bares de cervejas da cidade e deve contar com cerca de 40 tipos diferentes de cervejas. É a 2ª edição da festa, que foi um sucesso em Curitiba, reunindo mais de 200 participantes.

Além disso, os fãs do universo cervejeiro terão música ao vivo, poderão participar de brincadeiras cervejeiras, como teste cego de cervejas e competição de chope em metro e a oportunidade de ajudar quem precisa. O evento terá leilão de cervejas raras e rifas. Todo o dinheiro arrecadado será doado para ONG Gotas de Flor com Amor – especializada em ajudar crianças carentes que não possuem estrutura financeira para seu desenvolvimento educacional.

Existem outros motivos de comemoração. No decorrer dos anos, o blog se transformou em uma das principais empresas do país que presta serviços de consultoria em cervejas, com soluções principalmente em comunicação e sommelieria. Atualmente, conta com uma equipe de três colaboradores, todos jornalistas, incluindo o fundador, sommelier de cervejas e mestre em estilos, Luís Celso Jr.

Entre as cervejarias artesanais presentes no evento está a Blondine que levará sua India Pale Lager – cerveja feita em parceria com o carismático Supla; a Perro Libre com sua Session India Pale Lager, que leva lúpulos americanos; a paranaense Way Beer com a Avelã Porter – feita com maltes torrados e extrato de avelãs; a Madalena, com seu estilo American Wheat; a Bodebrown com duas cervejas do estilo IPA, uma com adição de cacau e outra com notas de maracujá e goiaba, uma Imperial Double IPA, nomeada como Perigosa. Estarão na festa outras 10 cervejarias: Maniacs, Landel, Quinta do Malte, Colorado, Paulaner (Casa Flora), Backer, Cervejaria Nacional, Morada Cia Etílica, Da Mata, Swamp e Suméria.

“A comemoração de 10 anos do BarDoCelso.com é mais uma oportunidade de trabalharmos por algo que nos move desde sempre: a divulgação da cultura cervejeira no Brasil. Queremos mostrar que cerveja é também cultura, é também tradição, é também alimento e saúde – sempre que consumida com moderação e responsabilidade. A data não podia passar em branco, mas queremos engajar cada vez mais pessoas interessadas no crescimento da cultura das cervejas especiais. Estamos muito empolgados e garantimos um evento recheado de ótimas cervejarias e descontraído, como a própria bebida”, destaca Celso.

Festa 10 anos BarDoCelso.com
Local: São Paulo Tap House – Rua Girassol, 340 – Vila Madalena – São Paulo – SP
Data: 23/10
Horário: 13h às 22h
Entrada gratuita.

Sobre o BarDoCelso.com
O BarDoCelso.com nasceu em 2006 e tornou-se referência no país em cervejas. Atualmente, também é uma empresa de prestação de serviços sobre a bebida, oferecendo soluções em comunicação e sommelieria, como eventos corporativos, cursos in-company, palestras sobre cerveja, elaboração de cartas de cerveja, produção de material jornalístico, branded content especializado, mídia, consultoria e assessoramentos.

 

1384337_10202392596081344_1131287109_nSobre Luís Celso Jr.
Formado em jornalismo pela PUC-PR é especializado em jornalismo digital pelo Instituto Internacional de Ciências Sociais de São Paulo, tendo atuado por mais de oito anos nessa área no jornal Gazeta do Povo. Ao longo da sua carreira, também se especializou em cervejas, cobrindo o assunto, julgando campeonatos e fazendo diversos cursos. É Sommelier de Cervejas e Mestre em Estilos formado pela Associação Brasileira de Sommeliers e Instituto da Cerveja Brasil. Além disso, é professor do Instituto da Cerveja da Beer Academy, do curso de Administração dos Negócios da Cerveja da FGV-SP e da Pós-Graduação em Produção e Avaliação de Conteúdo para Mídias Digitais da Universidade Positivo.

Dia d@ Bartender com as Divas no Boteco

No dia 04 de outubro, é comemorado o Dia d@ Bartender, profissional que cria e serve drinks elaborados, como é o caso das divas Adriana Pino e Talita Simões, do restaurante Méz e Oguru Sushi & Bar, respectivamente. São elas as responsáveis por assinar as cartas dos espaços paulistanos, localizados no Itaim Bibi, e imprimir seus estilos únicos em suas criações.

Quando eu conheci a Adriana Pino, ela era a Menina no Boteco do Brown Sugar, e eu soube na hora que ela era muito mais que uma bartender incrível que gosta de um bom papo de balcão. A sintonia entre nós foi tão legal, que viramos amigas dentro e fora do boteco.

IMG_3892

Com 11 anos de experiência, Adriana Pino usa e abusa de bons ingredientes para traçar uma carreira de sucesso como bartender: simpatia e competência. Foi a primeira classificada para o World Class Brasil 2016 e agora ela é a Diva no Boteco do Méz, no Itaim Bibi, que abriu suas portas em abril para oferecer coquetelaria e gastronomia em ambiente de estilo nova-iorquino. Adriana prepara diariamente drinks exclusivos, clássicos ou tradicionais que já ganharam consagração e muitos fiéis. “Venho aperfeiçoando a arte da coquetelaria clássica e moderna, estudando e experimentando novas misturas, combinando sabores e descobrindo um mundo de possibilidades”, afirma Adriana.

Já a Talita Simões, eu conheci quando ela era a Menina no Boteco do Side, depois presenciei seu show de Gim Tônicas no G&T, e fui testemunha da carta de drinks sensacional que ela fez para o Town Sandwich Co. Agora ela desenvolveu a carta de coquetelaria e é a Diva no Boteco do Oguru Sushi & Bar, localizado na mesma região de São Paulo.

IMG_3442

A bartender é uma das mais renomadas do Brasil e sempre encara um novo projeto de maneira exclusiva, além de desenvolver um trabalho especial e raro, focado na experiência sensorial que as bebidas podem proporcionar. Em 2011, Talita participou da final do concurso de coqueteleira Diageo World Class, concorrendo ao título de melhor bartender do mundo e chegando em 2º lugar como a melhor de toda a América Latina. Além disso, a responsável pela carta de drinks do sushi e bar no Itaim faz parte também do comitê internacional de Londres que determina, anualmente, os 10 melhores bares do mundo.

Quer conferir o trabalho das duas de pertinho? Abaixo estão os detalhes dos estabelecimentos e, em breve, eu trago mais novidades sobre essas duas Divas no Boteco!

Méz

Endereço: Rua Dr. Mario Ferraz, 561 – Itaim Bibi

Telefone: (11)2538-8197

Horário de Funcionamento: Segunda-feira: das 12h às 15h (almoço); Terça, quarta e quinta-feira: das 12h à 1h (das 15h às 19h – apenas área do Terraço); Sexta-feira: das 12h às 2h (das 15h às 19h – apenas área do Terraço); Sábado: das 12h às 2h; e Domingo: das 12h às 17h.

Forma de pagamento: Aceita todos os cartões.

Capacidade: 100 lugares sentados + área externa

Valet: R$ 25

Facebook: www.facebook.com/mez.sp

Instagram: @mez.sp

Wifi Sim / Acessibilidade Sim

Oguru Sushi & Bar

Endereço: Rua Campos Bicudo, 141 – Itaim Bibi

Telefone: (11) 2609-2622

Horário de Funcionamento: Almoço de Segunda a Sexta das 12h às 15h; Sábado e feriados das 12h às 16h; Jantar de Segunda a Quarta das 19h às 23h; Quinta a Sábado das 19h à 00h; e feriados até às 23h.

E-mail: contato@ogurusushibar.com.br

Forma de pagamento: Visa, Master, Amex, Elo e Vale Refeição

Capacidade: 60 lugares

Valet: R$ 20

Facebook: www.facebook.com.br/ogurusushibar

Instagram: @ogurusushibar

Wifi Sim / Acessibilidade Sim

The Little Gin Lane – Meninas e Gim pelo Brasil afora

Os apaixonados por Gim, ganham uma nova opção para saborear bons drinksTalita Simões está a frente do projeto The Little Gin Lane, com a missão de levar drinks com Gim para vários pontos de São Paulo e do Brasil.

A conceituada bartender Talita Simões, em parceria com a, também talentosa, Nina Rodrigues, está criando drinks exclusivos e com ingredientes regionais, sempre valorizando o destilado com releituras saborosas de Gim Tônica como carro chefe, além dos clássicos super bem executados.

Captura de tela inteira 20062016 150051.bmp

The Little Gin Lane tem como objetivo promover a integração entre renomadas marcas de bebidas e espaços premium, para os apreciadores de coquetelaria, além de levar o conceito de Bar Itinerante de GIN, mantendo o preço acessível dos drinks, divulgando através de redes sociais como, Instagram, Food Pass e Snapchat para os apreciadores de Gim; e, ainda, criar periodicamente encontros aos amantes de G&T, sempre em um lugar badalado, com um público jovem e que aprendeu a gostar de Gim, dando uma roupagem moderna com os drinks exclusivos de Talita Simões.

Entre em contato e saiba como levar o The Little Gin Lane ate você! Restaurantes, cafés, inaugurações de lojas, exposições, barbearias, em sua casa, na praia, no campo, na montanha, festas, eventos, happy hours e open houses.

Nossa missão é espalhar a coquetelaria e os bons drinks por todo o Brasil!

Contatos:
e-mail: projetoginlane@gmail.com
Instagram: @thelittleginlane

Guia de Rodas: Uma ideia quando é boa, é boa para todos.

Um aplicativo que avalia estabelecimentos conforme sua acessibilidade, esse é o Guia de Rodas: uma ideia quando é boa, é boa para todos.

Uma amiga comentou sobre um aplicativo que avaliava a acessibilidade de bares e restaurantes, fiquei super curiosa e fui conversar com o Bruno Mahfuz, idealizador do Guia de Rodas. Ele me explicou que o Guia de Rodas tem como objetivo CONSCIENTIZAR, SENSIBILIZAR e ENGAJAR a SOCIEDADE na questão da acessibilidade, além de RECONHECER e DIVULGAR os estabelecimentos que primam por ela.

guiaderodas

Ainda existem muitos estabelecimentos sem acessibilidade no Brasil, o que dificulta a vida de milhões de pessoas com dificuldade de locomoção. Para agirmos com eficiência nesse problema, é preciso primeiramente mudar o conceito que muitas pessoas têm sobre acessibilidade. Um dia, em qualquer momento da vida, muitos precisarão de instalações acessíveis, seja por limitação provisória ou permanente.

Desta forma, o Guia de Rodas permite que qualquer pessoa avalie qualquer estabelecimento, do ponto de vista da acessibilidade, bares, restaurantes, cinemas, teatros, estádios, parques, shopping centers,  igrejas, escolas, universidades, supermercados, instituições financeiras… Todos os lugares podem ser avaliados por qualquer pessoa!

O Bruno também me convidou para participar de um dos vídeos de divulgação do aplicativo Guia de Rodas e o resultado ficou muito legal!

Baixe o aplicativo Guia de Rodas e avalie em até 30 segundos a acessibilidade dos estabelecimentos que você frequenta. Como resultado, milhões de pessoas com dificuldade de locomoção poderão sair de casa mais tranquilas, pois saberão quais são os locais adaptados para recebê-las.

Porque uma ideia quando é boa, é boa para todos.

Para maiores informações, clique no nome do aplicativo, no primeiro parágrafo do texto.

Quando a ressaca bota a gente pra pensar

Quando a ressaca bota a gente pra pensar.
“Eu nunca mais vou beber”. Quem aqui nunca repetiu essa frase alguma (trocentas) vez na vida? Para no final de semana seguinte estar lá, sem vergonha, tomando umas de novo? Mas tem também o caso daquelas esbórnias épicas que depois você não consegue nem ouvir o nome de determinada bebida pro resto da vida que o estômago já dá aquela revirada. E é disso que vou falar.
Nesses últimos tempos a timeline de todo mundo foi inundada pelo tema violência sexual. O estopim foi o estupro coletivo de uma adolescente por 33 homens. Este era um assunto que já estava na agulha há tempos e foi preciso um caso chocante – que eu não nem preciso repetir aqui – para a internet explodir em indignação, seguida de discórdia, passando pelo bafafá, chegando ao grande debate sobre a cultura do estupro.
Não vou me aprofundar no tema, nessa taça aqui só cabe o som, mas é interessante como as pessoas levantaram a bola sobre como as letras das músicas que ouvimos são misóginas e promovem a violência contra a mulher.
E não, não estou falando (só) de funk. Já li de um tudo: o pessoal apontando para a aparentemente inofensiva “Run for your life” dos Beatles, chamando atenção para a óbvia “I used to love her” dos Guns ‘n’ Roses (plmdds, não me venham com aquela história de que HER é o nome da cachorra do Axl) e posts comentando a tendência ao machismo de certas vertentes do metal.
Mas meus dois cents sobre o assunto é sobre a música U.O.E.N.O., do rapper Rocko, em que em um trecho da música SIMPLESMENTE é dito:
“Put Molly all in her champagne, she ain’t even know it
I took her home and I enjoyed that, she ain’t even know it”
Molly. Aquela droga. MDMA. Uma espécie de ecstasy.

Todo mundo aqui é crescidinha e sabe que tem que ficar esperta com o seu copo, mas uma música falando ABERTAMENTE sobre “nossa, que massa, vamos drogar a moça sem ela perceber, levá-la pra casa e tirar proveito disso”, não é lá a coisa mais agradável do mundo de se ouvir e dançar quando você é a garota na pista.
O trecho rendeu uma petição com 72 mil assinaturas pedindo para que a Reebok deixasse de patrocinar o rapper (o que deu certo) alegando que a música fazia referência aos “date rapes”. E Rocko, apesar de falar que “não, magina, onde já se viu, isso foi um mal-entendido, vocês interpretaram errado”, retirou o trecho da música para que ela pudesse ser tocada nas rádios, e depois desculpou-se publicamente.
Mesmo assim, a faixa possui no canal oficial do Youtube do rapper mais de 1.2 milhões de views, uma versão remix com mais de 13 milhões de views, quase 25 milhões de plays no Spotify e 0.7 milhões de visualizações no Shaazam.
O estupro não é uma questão de sexo, é uma questão de violência, poder. E ele existe bem antes do rock, funk, rap, hip-hop, punk, samba, metal. Mas na cultura, ele se encontra tão enraizado, que permite que letras assim (e outras bem piores) passem batidas ou sejam consideradas aceitáveis.
E eu pergunto, você, mulher, consegue ouvir uma música que promova violência sexual sem ficar com o estômago eternamente enjoado? Eu também não.
Ilustração da imagem destacada: Raquel Thomé (raquelthome.com)