Dia d@ Bartender com as Divas no Boteco

No dia 04 de outubro, é comemorado o Dia d@ Bartender, profissional que cria e serve drinks elaborados, como é o caso das divas Adriana Pino e Talita Simões, do restaurante Méz e Oguru Sushi & Bar, respectivamente. São elas as responsáveis por assinar as cartas dos espaços paulistanos, localizados no Itaim Bibi, e imprimir seus estilos únicos em suas criações.

Quando eu conheci a Adriana Pino, ela era a Menina no Boteco do Brown Sugar, e eu soube na hora que ela era muito mais que uma bartender incrível que gosta de um bom papo de balcão. A sintonia entre nós foi tão legal, que viramos amigas dentro e fora do boteco.

IMG_3892

Com 11 anos de experiência, Adriana Pino usa e abusa de bons ingredientes para traçar uma carreira de sucesso como bartender: simpatia e competência. Foi a primeira classificada para o World Class Brasil 2016 e agora ela é a Diva no Boteco do Méz, no Itaim Bibi, que abriu suas portas em abril para oferecer coquetelaria e gastronomia em ambiente de estilo nova-iorquino. Adriana prepara diariamente drinks exclusivos, clássicos ou tradicionais que já ganharam consagração e muitos fiéis. “Venho aperfeiçoando a arte da coquetelaria clássica e moderna, estudando e experimentando novas misturas, combinando sabores e descobrindo um mundo de possibilidades”, afirma Adriana.

Já a Talita Simões, eu conheci quando ela era a Menina no Boteco do Side, depois presenciei seu show de Gim Tônicas no G&T, e fui testemunha da carta de drinks sensacional que ela fez para o Town Sandwich Co. Agora ela desenvolveu a carta de coquetelaria e é a Diva no Boteco do Oguru Sushi & Bar, localizado na mesma região de São Paulo.

IMG_3442

A bartender é uma das mais renomadas do Brasil e sempre encara um novo projeto de maneira exclusiva, além de desenvolver um trabalho especial e raro, focado na experiência sensorial que as bebidas podem proporcionar. Em 2011, Talita participou da final do concurso de coqueteleira Diageo World Class, concorrendo ao título de melhor bartender do mundo e chegando em 2º lugar como a melhor de toda a América Latina. Além disso, a responsável pela carta de drinks do sushi e bar no Itaim faz parte também do comitê internacional de Londres que determina, anualmente, os 10 melhores bares do mundo.

Quer conferir o trabalho das duas de pertinho? Abaixo estão os detalhes dos estabelecimentos e, em breve, eu trago mais novidades sobre essas duas Divas no Boteco!

Méz

Endereço: Rua Dr. Mario Ferraz, 561 – Itaim Bibi

Telefone: (11)2538-8197

Horário de Funcionamento: Segunda-feira: das 12h às 15h (almoço); Terça, quarta e quinta-feira: das 12h à 1h (das 15h às 19h – apenas área do Terraço); Sexta-feira: das 12h às 2h (das 15h às 19h – apenas área do Terraço); Sábado: das 12h às 2h; e Domingo: das 12h às 17h.

Forma de pagamento: Aceita todos os cartões.

Capacidade: 100 lugares sentados + área externa

Valet: R$ 25

Facebook: www.facebook.com/mez.sp

Instagram: @mez.sp

Wifi Sim / Acessibilidade Sim

Oguru Sushi & Bar

Endereço: Rua Campos Bicudo, 141 – Itaim Bibi

Telefone: (11) 2609-2622

Horário de Funcionamento: Almoço de Segunda a Sexta das 12h às 15h; Sábado e feriados das 12h às 16h; Jantar de Segunda a Quarta das 19h às 23h; Quinta a Sábado das 19h à 00h; e feriados até às 23h.

E-mail: contato@ogurusushibar.com.br

Forma de pagamento: Visa, Master, Amex, Elo e Vale Refeição

Capacidade: 60 lugares

Valet: R$ 20

Facebook: www.facebook.com.br/ogurusushibar

Instagram: @ogurusushibar

Wifi Sim / Acessibilidade Sim

Meninas Empoderadas no Boteco

Quem acompanha meu Instagram ou Snapchat (caronconi) já está sabendo que ontem à noite eu assisti ao filme She’s Beautiful When She’s Angry no Netflix. O filme fala sobre o movimento feminista nos Estados Unidos durante os anos 60, e que lembra um pouco da Primavera Feminista que vivemos aqui no ano passado.

Depois que o filme acabou eu fiquei pensando em como poderia ajudar no empoderamento feminino, e como sou habilitada pela Cambridge para dar aulas de inglês, tive a ideia de dar aulas de inglês para MULHERES por um preço promocional de R$25 a hora/aula, via Skype ou FaceTime.

Como eu tenho outros trabalhos, no poderei me dedicar exclusivamente para este projeto, por isso, vou dar preferência para as bartenders e beer sommelières que estão participando de campeonatos internacionais.

Mas se você é mulher e quer aproveitar esta oportunidade, mesmo sem estar competindo, entre em contato, tenho horários alternativos.

Para o público em geral, o valor da aula, via Skype ou FaceTime, é de R$125 a hora/aula. O valor da aula presencial é de R$150 a hora aula, para turmas de 1 a 5 pessoas do mesmo nível de inglês, e podem ser ministradas em São José dos Campos ou São Paulo.

Por mais Meninas Empoderadas no Boteco, na frente e atrás do balcão, TALK to ME!

Machismo no Boteco, até quando?

Em comemoração ao Dia do Publicitário, nós viemos solicitar uma reflexão da sociedade em geral sobre o que está acontecendo com a publicidade de bebidas alcoólicas, principalmente das cervejas, ao redor do mundo. Machismo no Boteco, até quando?

Lá vem elas com esse assunto de novo? Pois é gente, já conversamos, explicamos, argumentamos, mas há uma resistência em admitir, e pior, em abandonar o machismo no boteco, até quando?

Até quando vamos ter que ver uma cerveja que nós adoramos e consumimos com o maior prazer, fazer uma propaganda dizendo que nós precisamos de heróis? Até quando a publicidade vai sustentar a ideia de que o único consumidor é o macho caçador? E de que é para ele que todas as propagandas têm que ser direcionadas?

Isso reforça a cultura machista, desrespeita e objetifica a mulher, faz com que o machismo seja naturalizado e aceito como normal.

Em 2015, uma ação inusitada do movimento cervejeiro americano #WeAllLoveBeer  respondeu a questão: “A voz das mulheres consegue ser ouvida em um bar?” de uma maneira criativa. O grupo instalou câmeras escondidas em bares e restaurantes dos EUA e o resultado é surpreendente: em uma cena que se repete dezenas de vezes, mulheres aparecem “decepcionadas” ao receberem drinques ao invés de cerveja –a bebida que todas elas haviam pedido aos garçons. Enquanto isso, os homens, igualmente decepcionados, recebem as cervejas, que não pediram.

“Isso acontece sempre que vamos a um bar: eles sempre colocam o Martini para ela e a cerveja para mim”, afirma um dos homens dos casais flagrados no filme. Em outro momento, uma das mulheres questiona o comentário de um garçom: “Qual é a aparência de quem bebe cerveja?”.

Ao expor de maneira simples, inteligente e criativa o preconceito velado no universo cervejeiro, o vídeo virou hit nas redes sociais e já teve mais de um milhão de acessos no Youtube.

“Infelizmente ainda somos vítimas de preconceito, talvez vinculado a uma cultura machista, que vincula o consumo de cerveja e as profissões relacionadas à bebida exclusivamente aos homens. Mas a cerveja é democrática em todos os sentidos: aromas, sabores e preços…”, afirma Káthia Zanatta, beer sommelière, sócia-diretora do Instituto da Cerveja, professora e co-fundadora do curso de Sommelier de Cervejas da Associação Brasileira de Sommeliers de São Paulo.

O consumo de bebidas alcoólicas entre as mulheres não para de crescer, os bares estão cada vez mais repletos de mulheres, e vocês, caros publicitários, acham mesmo que nós estamos a procura de um herói? Machismo no Boteco, até quando?